quinta-feira, 27 de setembro de 2012

‘Doces poderes’ no Cine Jornalismo AIC

O cinema nacional estará representado no Cine Jornalismo AIC no próximo sábado (29), com o filme “Doces Poderes”, lançado em 1997. A exibição acontece às 16h, na sede da entidade, com entrada franca. Após o filme, haverá um bate-papo entre os participantes, tendo como moderadora a jornalista Claudia Alcântara, editora do jornal online Terceira Via. 

Sob direção de Lucia Murat, o filme mostra a jornalista Bia (Marisa Orth) chegando a Brasília para assumir, durante o período eleitoral, a chefia da sucursal da principal rede de TV do país. O antigo diretor está deixando o cargo para chefiar a campanha de um jovem candidato a governador, que é apoiado por políticos conservadores. Metade dos profissionais da sucursal também está deixando o local, pelos mais variados motivos, entre eles, a crise econômica pela qual passa o país e a falta de perspectiva do fim do século. Através dos discursos dos funcionários que estão deixando a sucursal é exibido o desenvolvimento das campanhas e os conflitos vividos pelos personagens.

O Cine Jornalismo AIC acontece mensalmente e sempre no último sábado, de março a novembro. A programação seguirá com “Jejum de Amor” (27 de outubro) e “O tempo é uma ilusão” (24 de novembro), que serão comentados por Talita Barros e Katiana Rodrigues, respectivamente. A AIC fica na Rua Tenente Coronel Cardoso, 460, Centro, Campos. 

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Entrevista da AIC: Rosinha rebate críticas ao Portal da Transparência

Rosinha Garotinho
(Foto: Divulgação)

A prefeita Rosinha Garotinho, candidata à reeleição pelo PR, encerra a série de entrevistas da Associação de Imprensa Campista com os concorrentes no município. 

Na entrevista, Rosinha Garotinho rebate críticas ao Portal da Transparência do município. "Todas as contas da prefeitura são disponibilizadas no Portal da Transparência, criado por mim, nos primeiros meses de nosso governo, de forma pioneira em Campos e na região. Em gestões anteriores à minha, prefeitos que tiveram suas contas rejeitadas pelo Tribunal de Contas do Estado e da União não publicavam sequer balancetes ou atos no Diário Oficial, pessoas que hoje criticam o Portal da Transparência. Porque não fizeram quando foram governantes?", disse a candidata. 

O objetivo da entidade é contribuir para difundir a visão dos prefeitáveis sobre comunicação e relacionamento com a imprensa e as redes sociais. As dez perguntas são as mesmas para todos os candidatos. A publicação no blog da AIC obedece a ordem de chegada das respostas. 


Confira a íntegra da entrevista com Rosinha Garotinho:


AIC - Qual a política pública para a área de comunicação social a senhora se compromete a desenvolver em Campos dos Goytacazes caso seja eleita?

Rosinha Garotinho - A Comunicação é uma das áreas mais importantes da administração pública, com a sua missão de informar à população as realizações e os atos de governo em curso, e iremos, cada vez mais, fazer com que esse papel seja exercido em sua plenitude, com a adoção de todos os recursos de mídia hoje disponíveis.

AIC - Qual a sua visão sobre o relacionamento da Prefeitura com a imprensa tradicional, os blogs e as redes sociais da internet?

Rosinha Garotinho - Com diálogo e abertura, o governo, os secretários e gestores usam de todos os canais e recursos disponíveis de comunicação para informar a população sobre os atos administrativos, falar das ações, dos programas e políticas públicas desenvolvidas no Município.

AIC - A senhora conhece a estrutura da Secretaria de Comunicação no atual governo? Pretende alterá-la? De que modo?

Rosinha Garotinho - A Secretaria de Comunicação está estruturada para atender às necessidades de se estabelecer com a comunidade relação direta de divulgação dos atos administrativos, de campanhas educacionais e de orientação. Já fazemos a transmissão on line de várias reuniões como as do Conselho Municipal de Desenvolvimento Sustentável (Comudes) e iremos ampliar esse tipo de serviço. Vamos expandir o uso de ferramentas virtuais como a do Portal da Prefeitura, aproximando pessoas das realizações e serviços realizados pela administração.

AIC - Muitos profissionais que atuam na Secretaria de Comunicação do município não são concursados. A senhora pretende substituí-los por concursados?

Rosinha Garotinho - Por muitos anos, nas gestões anteriores às nossas, deixaram a administração municipal sem renovação de seu quadro efetivo, em vários setores. Já realizamos um concurso público municipal geral em 2012 e estudamos a realização de outros processos seletivos para várias áreas que estão sendo levantadas.

AIC - É comum que governantes confundam publicidade sobre assuntos relevantes para a cidadania com propaganda do governante. O que a senhora fará para mudar este tipo de prática?

Rosinha Garotinho - A administração trabalha com uma visão integrada de comunicação, com ações de jornalismo e de mídia espontânea, com investimentos em publicidade para divulgação de ações e campanhas com temas de interesse público.

AIC - Recentemente, o município perdeu o Monitor Campista, sem que a prefeitura se empenhasse em procurar mantê-lo. Na sua visão, o município agiu corretamente, em razão do Monitor ter sido editado por uma empresa privada? Ou o município poderia ter encontrado meios para salvar o jornal, em razão do seu valor histórico?

Rosinha Garotinho - De início, deve ser esclarecido que o Monitor Campista pertencia à iniciativa privada, do grupo Diários Associados, que optou por descontinuar a publicação do jornal. Ressalta-se que o Município, antes de eu tomar posse como prefeita em janeiro de 2009, já não mais podia utilizar o Monitor como Diário Oficial em decorrência de ação proposta pelo Ministério Público, originada por denúncia de um grupo de comunicação local. Pelo reconhecido valor histórico, eu determinei ao secretário de Comunicação de meu governo, para que se empenhasse — dentro das limitações legais existentes, tendo em vista se tratar de empresa da iniciativa privada — a apoiar os jornalistas para que o Monitor não encerrasse suas atividades.

AIC - A legislação já prevê uma série de parâmetros para os investimentos públicos em comunicação. Ainda assim, em muitos governos, não há a devida transparência na utilização destes recursos, uma vez que comunicação é um bem intangível. Como a senhora avalia os atuais volumes de recursos investidos em comunicação em Campos e como pretende dar transparência a esta área em seu eventual governo?

Rosinha Garotinho - Todas as contas da prefeitura são disponibilizadas no Portal da Transparência, criado por mim, nos primeiros meses de nosso governo, de forma pioneira em Campos e na região. Em gestões anteriores à minha, prefeitos que tiveram suas contas rejeitadas pelo Tribunal de Contas do Estado e da União não publicavam sequer balancetes ou atos no Diário Oficial, pessoas que hoje criticam o Portal da Transparência. Porque não fizeram quando foram governantes? Todas as minhas contas, de 2009, de 2010, de 2011, foram aprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE). Publicamos todos os editais, decretos, leis, portarias, balanços, no Diário Oficial impresso e na sua versão on line. Apresentamos ao Conselho Municipal de Desenvolvimento Sustentável (Comudes), criado por mim, os principais números de nosso governo. Os nossos investimentos são inferiores a um por cento de nosso Orçamento, com a média normal de governos sendo de 5%. Além de cumprirmos com todos os Relatórios de Gestão, como, por exemplo, o RREO, RGF, SIOPE, e o SIOPS.

AIC - Alguns estados (BA, CE e RS, por exemplo) e municípios (Pelotas, São Carlos e Niterói, por exemplo) implantaram ou estão em fase de implantação dos seus Conselhos Municipais de Comunicação. A senhora conhece as atribuições de um conselho desta natureza? É a favor de implantar um deles em Campos?

Rosinha Garotinho - Como já disse, criamos o Comudes, fortalecemos os conselhos municipais que foram encontrados abandonados quando assumimos o governo, sem investimentos e sem estrutura física, e hoje eles se encontram em plena operação, gerando resultados. Acreditamos na participação da sociedade civil no apoio à gestão municipal para a prestação de serviços cada vez melhores à população.

AIC - Apesar das muitas tecnologias disponíveis, ainda é perto da nula a participação cidadã na gestão do município de Campos por meio de canais interativos na internet. Quais são as suas propostas para resolver esta demanda?

Rosinha Garotinho - Em Campos, promovemos vários avanços, com a reformulação do Portal da Prefeitura e com a informatização de serviços importantes para a população. Através do Portal da Prefeitura, a população pode ter acesso a vários serviços que não existiam e que lançamos como a Nota Fiscal Eletrônica, o ISS Eletrônico, Contracheque Online, 2ª Via On Line de IPTU, inscrição para audiências públicas e conferências. Vários atos públicos de nosso governo são transmitidos de forma on line, pela internet, como as reuniões do Comudes. Tivemos que começar do zero e iremos expandir o volume de serviços disponíveis.

AIC - No debate sobre a democratização das comunicações, um dos aspectos é o que envolve o acesso dos cidadãos à internet banda larga de alta qualidade. Na sua avaliação, um município como Campos, a exemplo do que ocorre em outros municípios, tem condições de ofertar acesso gratuito e de qualidade à internet para os munícipes? Ou, na sua visão, esta não seria uma atribuição da Prefeitura?

Rosinha Garotinho - A prefeitura instalou em Campos em meu governo uma rede de 50 quilômetros de fibra ótica para internet de alta velocidade. Esse anel de fibra vai permitir a integração da administração pública, como postos de saúde e escolas, e vai disponibilizar acesso aberto para a população via wi-fi, com velocidade média de 2 megas. São 14 praças digitais em fase de teste nesta fase inicial, que será expandida para outros locais do município. Ocupamos hoje o 46º lugar entre mais de 5.500 municípios do Brasil no ranking nacional das cidades digitais e somos o 5º lugar no Estado, segundo o levantamento InfoBrasil, do CPqD, um dos principais centros de tecnologia do País.

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Entrevista da AIC: José Geraldo promete concurso para a Comunicação


José Geraldo
(Foto: Divulgação)

O candidato à Prefeitura de Campos, José Geraldo (PRP), é o quarto a participar da série de entrevistas da Associação de Imprensa Campista com os concorrentes no município.

Na entrevista, José Geraldo, entre outros pontos, afirma que promoverá concurso público para a área de comunicação na Prefeitura e não usará "a contratação de funcionários temporários como regra".

O objetivo da AIC com a série de entrevistas é contribuir para difundir a visão dos prefeitáveis sobre comunicação e relacionamento com a imprensa e as redes sociais. As dez perguntas são as mesmas para todos os candidatos. A publicação no blog da AIC obedece a ordem de chegada das respostas.

Confira a íntegra da entrevista com José Geraldo:


AIC - Qual a política pública para a área de comunicação social o senhor se compromete a desenvolver em Campos dos Goytacazes caso seja eleito?

José Geraldo - A comunicação com a sociedade é forma democrática de um governo interagir com seus munícipes. A liberdade de imprensa que temos hoje garantida constitucionalmente foi, e é a forte arma da cidadania de nossos tempos no Brasil. A imprensa com jornalismo sério e investigativo tem prestado grandes serviços ao povo brasileiro. Quanto mais intensa é essa prática, mais transparente é o Governo. A relação de nosso governo será a mais ampla, aberta e democrática com a comunicação social de nossa prefeitura com a sociedade.

AIC - Qual a sua visão sobre o relacionamento da Prefeitura com a imprensa tradicional, os blogs e as redes sociais da internet?

José Geraldo - Há que ser uma relação de parceria para que a população fique ciente das ações de nossa gestão, da transparência de nosso governo. Sem favorecimentos a quem quer que seja e com absoluta isenção. O portal da prefeitura em nosso governo vai ser o espelho de nossa gestão.

AIC - O senhor conhece a estrutura da Secretaria de Comunicação no atual governo? Pretende alterá-la? De que modo?

José Geraldo - Não conheço completamente, mas sei que tem grandes valores profissionais como o jornalista Fernando Leite e outros. Todos os funcionários da lá serão avaliados e esperamos dar agilidade e eficiência à esse Órgão.

AIC - Muitos profissionais que atuam na Secretaria de Comunicação do município não são concursados. O senhor pretende substituí-los por concursados?

José Geraldo - É a coisa mais óbvia que iremos fazer. Aliás, para todas as funções na prefeitura, iremos adotar de imediato o concurso público. Claro que iremos aproveitar os já concursados, para depois realizarmos novos concursos. Não usaremos a contratação de funcionários temporários como regra.

AIC - É comum que governantes confundam publicidade sobre assuntos relevantes para a cidadania com propaganda do governante. O que o senhor fará para mudar este tipo de prática?

José Geraldo - Sempre e unicamente iremos fazer, de forma simples, econômica e transparente, a informação fundamental das ações de governo no interesse público. a marca será sempre da prefeitura. Nós não adotaremos uma marca de governante. Esta prática não nos pertencerá jamais. Pode arquivar e cobrar no futuro.

AIC - Recentemente, o município perdeu o Monitor Campista, sem que a prefeitura se empenhasse em procurar mantê-lo. Na sua visão, o município agiu corretamente, em razão do Monitor ter sido editado por uma empresa privada? Ou o município poderia ter encontrado meios para salvar o jornal, em razão do seu valor histórico?

José Geraldo - A pergunta já induz à resposta. Era um veículo de relevância histórica de Campos e não poderia ser deixado de lado pelo governante daqui. ainda que de propriedade privada, o governo poderia ter continuado a usá-lo como seu veículo oficial, sem paternalismo e sem interferência política. Sabemos que os últimos governos sempre queriam utilizar aquele veículo de foram fraudulenta. Essa foi uma das causas de sua morte decretada. Contrariou os interesses, pau nele.  

AIC - A legislação já prevê uma série de parâmetros para os investimentos públicos em comunicação. Ainda assim, em muitos governos, não há a devida transparência na utilização destes recursos, uma vez que comunicação é um bem intangível. Como o senhor avalia os atuais volumes de recursos investidos em comunicação em Campos e como pretende dar transparência a esta área em seu eventual governo?

José Geraldo - Esses absurdos só acontecem em governos sem escrúpulos. Nosso governo vai atuar com absoluta transparência nesses casos e o recursos alocados serão apenas os necessários ao cumprimento de seu objeto.

AIC - Alguns estados (BA, CE e RS, por exemplo) e municípios (Pelotas, São Carlos e Niterói, por exemplo) implantaram ou estão em fase de implantação dos seus Conselhos Municipais de Comunicação. O senhor conhece as atribuições de um conselho desta natureza? É a favor de implantar um deles em Campos?

José Geraldo - Não conheço a estrutura e o propósito desses Conselhos. Se forem de interesse público e atuação lógica e fiscalizadora em face do interesse da população, e se seus membros não tiveram custos para a administração, atuarem como de foram cidadã, estudaremos a conveniência a oportunidade de sua constituição sim.

AIC - Apesar das muitas tecnologias disponíveis, ainda é perto da nula a participação cidadã na gestão do município de Campos por meio de canais interativos na internet. Quais são as suas propostas para resolver esta demanda?

José Geraldo - Ouço dizer que a prefeitura está desenvolvendo projetos de interatividade via internet. É ótima ferramenta e iremos dinamizá-la para servira à população. Iremos estudar quais mecanismos poderemos adotar para aumentar a interatividade da população com o governo municipal.

AIC - No debate sobre a democratização das comunicações, um dos aspectos é o que envolve o acesso dos cidadãos à internet banda larga de alta qualidade. Na sua avaliação, um município como Campos, a exemplo do que ocorre em outros municípios, tem condições de ofertar acesso gratuito e de qualidade à internet para os munícipes? Ou, na sua visão, esta não seria uma atribuição da Prefeitura?

José Geraldo - Investir recursos públicos municipais nessa prestação de serviços não é bem função do poder municipal. O governo federal está viabilizando tais acessos com recursos federais e em parcerias com a iniciativa privada. Este pode ser um modelo a ser pensado aqui.

[Ver entrevistas com outros candidatos]

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

AIC recebe respostas de José Geraldo e de Rosinha Garotinho

A Associação de Imprensa Campista informa que recebeu as respostas dos candidatos José Geraldo (PRP) e Rosinha Garotinho (PR) e dará continuidade à série que está realizando com os prefeitáveis de Campos nestas eleições 2012.

Como ocorreu com as demais, as entrevistas serão publicadas obedecendo a ordem de chegada, sendo disponibilizadas a partir das 6h. Nesta terça, 25, poderá ser acessada a entrevista com o candidato José Geraldo. Na quarta, 26, será a vez da candidata Rosinha Garotinho.

Todas as entrevistas, com os cinco concorrentes, continuarão disponíveis no link http://associacaodeimprensa.blogspot.com.br/p/entrevistas-prefeitaveis-2012.html

A Associação de Imprensa Campista agradece a participação de todos os candidatos, que democraticamente aceitaram o convite da entidade para expor suas visões e compromissos na área de Comunicação Social.

sábado, 22 de setembro de 2012

Jorge Furtado com projeto de documentário sobre jornalismo

Foto: Adriana Franciosi / Agencia RBS
Jorge Furtado  ficou famoso com o curta-metragem “Ilha das Flores”.

O novo filme do cineasta brasileiro Jorge Furtado será um documentário que abordará o tema do jornalismo. “O mercado de notícias” será uma análise sobre o jornalismo no Brasil e no mundo, tendo como base uma peça inglesa escrita em 1626 por Bem Jonson, “The staple of news”.

Em entrevista ao Segundo Caderno do Jornal “O Globo” em sua edição de quinta-feira (20), Jorge Furtado contou que “a peça é de uma atualidade absurda, sobretudo neste momento em que o jornalismo passa por uma transformação radical", afirmou o cineasta.

-  Embora seja cada vez mais difícil tirar uma pessoa de casa para ir ao cinema, ainda vejo os filmes como uma arma fundamental para debater grandes temas - acredita Jorge Furtado, explicando ainda que vai documentar a encenação da peça e complementar o projeto com entrevistas sobre jornalismo.

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Concurso Universitário de Jornalismo da CNN

A Cable News Network (CNN) inscreve até o dia 12 de outubro de 2012 para o 8º Concurso Universitário de Jornalismo. Os interessados devem fazer um vídeo com o tema "Pessoas que fazem a diferença no Brasil". Os prêmios incluem visita aos estúdios da CNN em Atlanta, Estados Unidos. Mais informações aqui.

Presidente da AIC convidado para participar do Simpósio Nacional de Jornalismo Científico na Uenf

Estão abertas até o dia 30 de setembro de 2012 as inscrições para o II Simpósio Nacional de Jornalismo Científico. Organizado pela Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (Uenf), o evento, que será realizado nos dias 28 e 29/11/12, no Centro de Convenções da Uenf, em Campos, terá a participação do presidente da Associação de Imprensa Campista (AIC), o jornalista e professor de Jornalismo, Vitor Menezes.

O presidente da AIC vai estar no dia 29/11, das 18h30 às 20h30, na Mesa-redonda “Jornalismo científico em mídias regionais: como pôr ciência no cardápio dos leitores’”, que terá ainda as participações da jornalista e escritora, vencedora do Prêmio José Reis de 200, Fabiola Imaculada de Oliveira; e do professor Carlos Henrique Medeiros de Souza, do Centro de Ciências Humanas (CCH/UENF). A mesa terá moderação da gerente de Comunicação da UENF, a jornalista Fúlvia D’Alessandri.

O Simpósio aceitará resumos para serem apresentados no evento. Os resumos deverão ser enviados no ato da inscrição, que deve ser feita neste link aqui.

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

AIC no Conselho Municipal de Cultura


A Associação de Imprensa Campista (AIC) está representada no Conselho Municipal de Cultura por meio de seus diretores, Alexandro Florentino e Wesley Machado. A eleição dos novos membros ocorreu no sábado (15), no auditório do Centro Universitário Fluminense (Uniflu).

Alexandro e Wesley farão parte da Câmara Técnica de Artes Áudio Visuais. A data da posse será definida assim que forem indicados os nomes do governo municipal. Veja aqui, mais informações sobre o assunto.

Clipping: Jornal O Diário reproduz entrevistas da AIC

Edição de quinta-feira, dia 13 de setembro de 2012

Edição de quinta-feira, dia 13 de setembro de 2012


quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Entrevistas da AIC: Entidade ainda aguarda respostas de José Geraldo e Rosinha Garotinho

Em razão da falta do envio de respostas pelos candidatos José Geraldo (PRP) e Rosinha Garotinho (PR), a série sobre comunicação pública com os concorrentes à Prefeitura de Campos terá que ser interrompida. Como foi comunicado às assessorias dos candidatos, a série teria, como teve, início na segunda-feira, 10/09/12, e seguiria com a publicação das entrevistas por ordem de chegada.

Atenderam prontamente ao convite da AIC os candidatos Makhoul Moussalem (PT), publicado aqui na segunda-feira; Arnaldo Vianna (PDT), aqui na terça-feira; e Erik Schunk (Psol), aqui na quarta-feira. Os demais, infelizmente, apesar dos insistentes contatos com as assessorias, não enviaram as suas respostas a tempo de manter uma sequencia diária.

Ainda assim, a AIC, em virtude da relevância do tema e da tradição democrática da entidade, clama publicamente aos candidatos José Geraldo (PRP) e Rosinha Garotinho (PR) para que respondam às perguntas da Associação e exponham os seus compromissos na área de comunicação. Apesar de lamentar a interrupção da série, a AIC se mantém à disposição para realizar a publicação das entrevistas pendentes a qualquer momento neste período de campanha eleitoral.

A AIC entende que é seu papel institucional promover o debate e a difusão dos temas relacionados à comunicação em geral e ao jornalismo em particular, contribuindo assim para o fortalecimento da cidadania e para adoção de parâmetros republicanos no tratamento da informação.

Campos dos Goytacazes, 13 de setembro de 2012
Diretoria da AIC

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Entrevista da AIC: Erik Schunk promete transmitir ao vivo reuniões das comissões de licitação

Erik Schunk
[Foto: Divulgação]
O candidato à Prefeitura de Campos, Erik Schunk (Psol), é o terceiro entrevistado da Associação de Imprensa Campista, na série que discute comunicação e jornalismo no município. As dez perguntas são as mesmas para todos os candidatos. A publicação no blog da AIC obedece a ordem de chegada das respostas.

Nesta entrevista, Schunk afirma que tem como proposta publicar diariamente os boletins de caixa da Prefeitura "para que o cidadão saiba quanto se gastou, quem recebeu e qual foi a obra ou o serviço executado". O candidato também afirma que vai priorizar pregões eletrônicos e transmitirá ao vivo as reuniões das Comissões de Licitação, "como forma de dar mais transparência ao processo"

Confira a íntegra:

AIC - Qual a política pública para a área de comunicação social o senhor se compromete a desenvolver em Campos dos Goytacazes caso seja eleito?
Erik Schunk – Nós entendemos que a transparência é um dos pilares da administração e vamos fazer uso de todas as ferramentas tecnológicas à mão para que o cidadão tenha as informações disponíveis e como acessá-las e fazer a via contrária, ou seja, abastecer o governo com suas informações e suas demandas para que seja uma comunicação de mão dupla.

AIC - Qual a sua visão sobre o relacionamento da Prefeitura com a imprensa tradicional, os blogs e as redes sociais da internet?
Erik Schunk – A disponibilidade é a mesma. O governo deve estar aberto para ser questionado, criticado ou elogiado. Hoje a mídia é uma via de mão dupla e muito mais ágil que há alguns anos, por isso as instituições públicas devem se relacionar com todos os meios de comunicação de forma aberta, franca e transparente.

AIC - O senhor conhece a estrutura da Secretaria de Comunicação no atual governo? Pretende alterá-la? De que modo?
Erik Schunk – Não conheço a fundo, mas me inteirei um pouco da situação e, pelo que pude apurar, há, como em toda a estrutura da máquina pública municipal, um número excessivo de cargos de confiança. Pretendo fazer com que a Secretaria funcione como uma Redação multi plataforma de comunicação, não só gerando notícias sobre a Prefeitura de Campos, mas sobre tudo que possa interessar ao munícipe, via release para as Redações, entrevistas para as rádios e vídeos. Me deram como exemplo a Agência Brasil, do Governo Federal, que acessei e achei interessante. O conceito é não ser uma Redação “Chapa Branca”, que só elogie o governo. Vamos tratar informação pública como um bem público.

AIC - Muitos profissionais que atuam na Secretaria de Comunicação do município não são concursados. O senhor pretende substituí-los por concursados?
Erik Schunk – A regra geral é contratação por concurso público em respeito à Constituição Federal para os cargos permanentes, e, se realmente há excesso de cargos de confiança, haverá adequação. Para você ter uma idéia, no primeiro escalão deste governo, contando, secretarias, coordenadorias, autarquias e assessorias especiais são mais de 45 cargos tipo DAS 1. Acho que nem no Governo Estadual tem tanta gente no primeiro escalão como na Prefeitura de Campos.

AIC - É comum que governantes confundam publicidade sobre assuntos relevantes para a cidadania com propaganda do governante. O que o senhor fará para mudar este tipo de prática?
Erik Schunk – É fácil. Temos que partir do conceito do que é público e do que é privado. Ir lá no início dos tempos e buscar a “res publica”, coisa pública e restabelecer os valores mais sagrados da República. Nos últimos governos houve um entrelaçamento tão grande entre interesses públicos e privados que até sessão especial no Trianon para familiares e convidados de um Chefe do Executivo aconteceu. O empreguismo, as relações espúrias entre empreiteiros e assessores municipais e outros exemplos deixaram claro que perderam completamente o senso das coisas. Precisamos estar vacinados contra isso sem precisar deixar de cumprir o preceito constitucional de dar publicidade aos atos do governo. Mas, é bom deixar claro que para “dar publicidade aos atos do governo” não é necessário um orçamento de quase R$ 20 milhões que é quanto o atual governo gastou por ano com uma enxurrada de propaganda na televisão, rádios e jornal.

AIC - Recentemente, o município perdeu o Monitor Campista, sem que a prefeitura se empenhasse em procurar mantê-lo. Na sua visão, o município agiu corretamente, em razão do Monitor ter sido editado por uma empresa privada? Ou o município poderia ter encontrado meios para salvar o jornal, em razão do seu valor histórico?
Erik Schunk – Eu não acompanhei tão de perto quanto eu gostaria a questão do Monitor Campista, mas sei que era um patrimônio histórico de Campos e que foi covardemente assassinado. Era editado por uma empresa privada sim e, pelo que sei, há mais de cem anos. Se havia (ou não) reclamação dos concorrentes, deveria se fazer uma licitação e escolher quem publicaria mais barato. Mas não. A solução foi a pior de todas, a mais cruel. A prefeita mandou (em março ou abril de 2009) um projeto de lei à Câmara criando a Imprensa Oficial Municipal, que 180 após a publicação da lei passaria a imprimir o Diário Oficial do Município numa gráfica a ser montada na Fundação Municipal da Infância e Juventude. Hoje, passados três anos e alguns meses não existe gráfica na Fundação da Infância e Juventude e os atos oficial da Prefeitura continuam sendo publicados na Imprensa Oficial do Estado, em Niterói. Não sei quem ganhou com isso, mas perdeu a cidade um jornal quase bi-centenário e que tinha uma linha muito próxima da utópica isenção jornalista. Foi uma pena.

AIC - A legislação já prevê uma série de parâmetros para os investimentos públicos em comunicação. Ainda assim, em muitos governos, não há a devida transparência na utilização destes recursos, uma vez que comunicação é um bem intangível. Como o senhor avalia os atuais volumes de recursos investidos em comunicação em Campos e como pretende dar transparência a esta área em seu eventual governo?
Erik Schunk - Como já disse, a transparência vai permear todo o governo e, acho, que quase tudo isso pode passar dela área de comunicação. Pretendemos, como exemplo de algumas prefeituras que já andei vendo no interior de São Paulo, disponibilizar os boletins de caixa diariamente na Internet para que o cidadão saiba quanto se gastou, quem recebeu e qual foi a obra ou o serviço executado. Da mesma forma serão disponibilizadas as receitas e suas origens. As Comissões de Licitação, como eu tive conhecimento de uma cidade do Paraná, poderá transmitir, ao vivo, suas reuniões como forma de dar mais transparência ao processo, mas tudo o que puder ser feito por pregão eletrônico, vai ser feito.

AIC - Alguns estados (BA, CE e RS, por exemplo) e municípios (Pelotas, São Carlos e Niterói, por exemplo) implantaram ou estão em fase de implantação dos seus Conselhos Municipais de Comunicação. O senhor conhece as atribuições de um conselho desta natureza? É a favor de implantar um deles em Campos?
Erik Schunk – No nosso programa de governo consta a implantação de conselhos populares, como por exemplo, para acompanhar e fiscalizar as obras, a formulação e execução do orçamento, o funcionamento das escolas e postos de saúde. Os chamados conselhos legais, que já existem por força de lei mas estão atrelados ao governo municipal pelos mais diversos motivos, estes precisam ser reativados e terão todo o apoio do nosso governo para atuar com independência. Quanto ao Conselho Municipal de Comunicação, sei que existe a previsão em lei para um conselho desta natureza nos municípios, mas confesso que preciso me inteirar mais com todos os atores envolvidos porque a maior preocupação é com a garantia da liberdade de expressão e do pensamento.

AIC - Apesar das muitas tecnologias disponíveis, ainda é perto da nula a participação cidadã na gestão do município de Campos por meio de canais interativos na internet. Quais são as suas propostas para resolver esta demanda?
Erik Schunk – Justamente colocar essas ferramentas à disposição da comunidade onde ela estiver. Todas as escolas municipais poderão funcionar como telecentros com Internet Banda Larga para ser utilizada pelos alunos e pela comunidade também nos finais de semana. Não sei quanto custa, mas pelo que apurei há condições, em parceria com o Governo Federal, de instalar banda larga e com sinal de qualidade em todo o município. Com os meios garantidos estão abertos os canais interativos para se administrar on line. É um grande avanço para a democracia, não só porque torna obsoleta figuras de sub-prefeitos e vereadores (não que não sejam necessários mas que são em número excessivo ou ignoram suas funções constitucionais, respectivamente).

AIC - No debate sobre a democratização das comunicações, um dos aspectos é o que envolve o acesso dos cidadãos à internet banda larga de alta qualidade. Na sua avaliação, um município como Campos, a exemplo do que ocorre em outros municípios, tem condições de ofertar acesso gratuito e de qualidade à internet para os munícipes? Ou, na sua visão, esta não seria uma atribuição da Prefeitura? 
Erik Schunk – O próximo prefeito vai administrar cerca de R$ 10 bilhões em quatro anos. É certo que há muito o que fazer, como obras de vulto de infraestrutura para o trânsito, habitação, nossas escolas (queremos começar já algumas com turno integral) e fazer uma revolução na Saúde. Vai ter muito dinheiro e também muito problema, mas acredito que fechando os “ralos” vai dar para fazer muita coisa... e garantir acesso gratuito e universal à Internet de qualidade é sim uma obrigação da Prefeitura porque o cidadão hoje não basta ser alfabetizado é preciso é preciso estar preparado e ter acesso para as novas tecnologias da comunicação, que na verdade, criam novas formar de se comunicar e exercer a sua cidadania.

[Ver entrevistas com outros candidatos]

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Entrevista da AIC: Arnaldo diz que Portal da Transparência é "tão transparente que a gente nem enxerga nada"

Arnaldo Vianna
[Foto: Divulgação]
O candidato à Prefeitura de Campos, Arnaldo Vianna (PDT), é o segundo concorrente a participar da série de entrevistas da Associação de Imprensa Campista com os prefeitáveis. O objetivo da entidade é contribuir para difundir a visão dos candidatos sobre comunicação e relacionamento com a imprensa e as redes sociais. As dez perguntas são as mesmas para todos os postulantes. A publicação no blog da AIC obedece a ordem de chegada das respostas.

Nesta entrevista, Vianna afirma que uma das primeiras ações do seu eventual novo governo "será a criação de um verdadeiro Portal da Transparência". Segundo ele, "o que temos hoje é tão transparente que a gente nem enxerga nada". Além disso, o candidato promete que "todos os recursos aplicados na área de Comunicação estarão disponíveis no Portal e serão debatidos com a sociedade".

Confira a íntegra:


AIC - Qual a política pública para a área de comunicação social o senhor se compromete a desenvolver em Campos dos Goytacazes caso seja eleito?
Arnaldo Vianna - Nossas ações na área da comunicação social visam a modernização, tendo em vista as novas mídias. Nosso objetivo é usar nosso setor de comunicação como uma ponte que aproxime os cidadãos da Prefeitura, usando novas ferramentas. Precisamos ir além da divulgação de ações por meio de anúncios que, em muitos casos, são teatrais e bem distantes da realidade.

AIC - Qual a sua visão sobre o relacionamento da Prefeitura com a imprensa tradicional, os blogs e as redes sociais da internet?
Arnaldo Vianna - O bom gestor é aquele capaz de dialogar sem impor. Uma mídia independente é de suma importância para a sociedade. Hoje, infelizmente, a parcialidade de alguns veículos é visível. Além disso, para enfraquecer os blogs, o atual governo tem infiltrado aliados no mundo virtual. Porém, o (e)leitor sabe diferenciar quem é quem.

AIC - O senhor conhece a estrutura da Secretaria de Comunicação no atual governo? Pretende alterá-la? De que modo?
Arnaldo Vianna - Conheço a estrutura que deixei quando fui prefeito. Agora, não sei como está. Como já informei, pretendo tornar a Secretaria mais dinâmica, apostando nas redes sociais e outras ferramentas utilizadas em vários países do mundo. Vale lembrar que, no meu governo, criamos o “Navegar É Preciso”. Em uma rápida busca na internet é possível perceber que este foi um dos primeiros projetos de inclusão digital do Brasil. Agora, 10 anos depois, vamos continuar buscando exemplos e sendo pioneiros.

AIC - Muitos profissionais que atuam na Secretaria de Comunicação do município não são concursados. O senhor pretende substituí-los por concursados?
Arnaldo Vianna - Em primeiro lugar é preciso entrar e conhecer a atual estrutura. Depois, é importante ver o quanto este atual governo investiu na melhoria das nossas receitas próprias. Como sabemos que não houve muita ação neste sentido, fica difícil realizar Concurso Público. Porém, quero deixar claro que sou um defensor dos concursados. Prova disso é o carinho que recebo de todos eles. Vamos avaliar e ver o que pode ser feito.

AIC - É comum que governantes confundam publicidade sobre assuntos relevantes para a cidadania com propaganda do governante. O que o senhor fará para mudar este tipo de prática?
Arnaldo Vianna - Como eu disse, hoje fica nítido que a realidade mostrada nas propagandas é bem diferente do que estamos vendo nas ruas. Precisamos nos comunicar com mais inteligência e transparência. Meu objetivo é ter um setor de Comunicação capaz de ir além da informação. Queremos aproximar os cidadãos e trocar informações com rapidez e eficácia.

AIC - Recentemente, o município perdeu o Monitor Campista, sem que a prefeitura se empenhasse em procurar mantê-lo. Na sua visão, o município agiu corretamente, em razão do Monitor ter sido editado por uma empresa privada? Ou o município poderia ter encontrado meios para salvar o jornal, em razão do seu valor histórico?
Arnaldo Vianna - Como leitor e membro de uma família que admira a história do Monitor Campista, fiquei muito triste com o fechamento. O fato é que faltou sensibilidade ao atual governo. Talvez porque eles tenham mais carinho por um jornal diário que é simpático a eles. O Monitor vai muito além de um jornal. É parte da história de Campos e merecia uma atenção especial do grupo que hoje está no comando da Prefeitura.

AIC - A legislação já prevê uma série de parâmetros para os investimentos públicos em comunicação. Ainda assim, em muitos governos, não há a devida transparência na utilização destes recursos, uma vez que comunicação é um bem intangível. Como o senhor avalia os atuais volumes de recursos investidos em comunicação em Campos e como pretende dar transparência a esta área em seu eventual governo?
Arnaldo Vianna - Uma das primeiras ações do meu governo será a criação de um verdadeiro Portal da Transparência. O que temos hoje é tão transparente que a gente nem enxerga nada. Todos os recursos aplicados na área de Comunicação estarão disponíveis no Portal e serão debatidos com a sociedade.

AIC - Alguns estados (BA, CE e RS, por exemplo) e municípios (Pelotas, São Carlos e Niterói, por exemplo) implantaram ou estão em fase de implantação dos seus Conselhos Municipais de Comunicação. O senhor conhece as atribuições de um conselho desta natureza? É a favor de implantar um deles em Campos?
Arnaldo Vianna - Como eu informei na pergunta anterior, pretendo debater as aplicações dos recursos com a sociedade. Creio que um Conselho de Comunicação seria de suma importância neste sentido. Tenho pesquisado sobre ações em várias partes do país e os resultados são muito bons.

AIC - Apesar das muitas tecnologias disponíveis, ainda é perto da nula a participação cidadã na gestão do município de Campos por meio de canais interativos na internet. Quais são as suas propostas para resolver esta demanda?
Arnaldo Vianna - Como eu disse, fui um dos primeiros prefeitos do país a lutar contra o analfabetismo digital, criando os núcleos do Navegar e informatizando as escolas municipais. Na área da comunicação vamos apostar no que há de mais moderno. Inclusive, tenho estudado exemplos de cidades que conseguiram grandes avanços com cabines digitais em escolas, faculdades e outras áreas estratégicas.

AIC - No debate sobre a democratização das comunicações, um dos aspectos é o que envolve o acesso dos cidadãos à internet banda larga de alta qualidade. Na sua avaliação, um município como Campos, a exemplo do que ocorre em outros municípios, tem condições de ofertar acesso gratuito e de qualidade à internet para os munícipes? Ou, na sua visão, esta não seria uma atribuição da Prefeitura? 
Arnaldo Vianna - Deixei o governo no final de 2004. Naquele último ano, Campos estava entre as cidades mais modernas do país na área de inclusão digital. Deixamos o Centro de Informações e Dados de Campos (Cidac) com uma sede e uma série de projetos. Infelizmente, nos últimos 8 anos, a cidade foi ultrapassada por muitos municípios. Agora, temos que correr atrás do tempo perdido. Sobre a democratização da internet de alta qualidade, o primeiro passo é se reunir com representante dos governos estadual, federal e buscar o melhor para os internautas da nossa cidade.


[Ver entrevistas com outros candidatos]

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Clipping: Jornal "O Diário" registra iniciativa da AIC de entrevistar pretendentes à Prefeitura de Campos


Reportagem do jornalista Jualmir Delfino

Clipping: Iniciativa da AIC de entrevistar pretendentes à Prefeitura de Campos repercute na imprensa eletrônica

A iniciativa da Associação de Imprensa Campista (AIC) de fazer uma série de entrevistas com os candidatos ao cargo de prefeito do município de Campos dos Goytacazes-RJ repercutiu na imprensa eletrônica. Vários portais de jornais, sites e blogs reproduziram a notícia que anunciava a iniciativa e a primeira entrevista publicada nesta segunda-feira (10).

Entrevista da AIC: Makhoul afirma que não usará verba de comunicação para "martelar slogans publicitários"

Makhoul Moussalem
[Foto: Divulgação]
O candidato à Prefeitura de Campos, Makhoul Moussalem (PT), abre a série de entrevistas da Associação de Imprensa Campista com os concorrentes no município. O objetivo da entidade é contribuir para difundir a visão dos prefeitáveis sobre comunicação e relacionamento com a imprensa e as redes sociais. As dez perguntas são as mesmas para todos os candidatos. A publicação no blog da AIC obedece a ordem de chegada das respostas.

Nesta entrevista, Moussalem assume compromissos como o de "usar a verba de comunicação para educar e informar a população e não para fazer propaganda de governo e martelar slogans publicitários".

Confira a íntegra:

AIC - Qual a política pública para a área de comunicação social o senhor se compromete a desenvolver em Campos dos Goytacazes caso seja eleito?

Makhoul Moussalem - A política da área de comunicação vai se basear em dois princípios: transparência e acessibilidade, de modo que todas as ações e a própria estrutura da Secretaria de Comunicação estejam voltados para um relacionamento direto e aberto tanto com os veículos de comunicação quanto com a rede de educação pública e o meio acadêmico. De outro lado, a Secretaria vai funcionar de maneira coordenada com todas as outras demais secretarias divulgando as ações e campanhas de utilidade pública promovidas por cada uma delas.

AIC - Qual a sua visão sobre o relacionamento da Prefeitura com a imprensa tradicional, os blogs e as redes sociais da internet?

Makhoul Moussalem - A liberdade de imprensa e opinião é um valor republicano do qual não abro mão.

AIC - O senhor conhece a estrutura da Secretaria de Comunicação no atual governo? Pretende alterá-la? De que modo?

Makhoul Moussalem - Não tenho conhecimento profundo e vou alterar a atual estrutura, na medida em que esta não se adéque à consecução dos objetivos de comunicação de nosso governo.

AIC - Muitos profissionais que atuam na Secretaria de Comunicação do município não são concursados. O senhor pretende substituí-los por concursados?

Makhoul Moussalem - O ideal é que todo servidor público municipal seja concursado e que mesmo os cargos em comissão sejam ocupados por servidores de carreira do órgão. E nós vamos caminhar nessa direção na administração pública municipal como um todo, inclusive na Secretaria de Comunicação.

AIC - É comum que governantes confundam publicidade sobre assuntos relevantes para a cidadania com propaganda do governante. O que o senhor fará para mudar este tipo de prática?

Makhoul Moussalem - Tudo. Pretendo usar a verba de comunicação para educar e informar a população e não para fazer propaganda de governo e martelar slogans publicitários para tentar convencer a população das maravilhas de meu governo.

AIC - Recentemente, o município perdeu o Monitor Campista, sem que a prefeitura se empenhasse em procurar mantê-lo. Na sua visão, o município agiu corretamente, em razão do Monitor ter sido editado por uma empresa privada? Ou o município poderia ter encontrado meios para salvar o jornal, em razão do seu valor histórico?

Makhoul Moussalem - Não só acho que a Prefeitura poderia ter ajudado como acho que ela contribuiu para agravar a situação do veículo quando retirou a publicação do Diário Oficial do Município que há anos compunha a renda do Monitor Campista.

AIC - A legislação já prevê uma série de parâmetros para os investimentos públicos em comunicação. Ainda assim, em muitos governos, não há a devida transparência na utilização destes recursos, uma vez que comunicação é um bem intangível. Como o senhor avalia os atuais volumes de recursos investidos em comunicação em Campos e como pretende dar transparência a esta área em seu eventual governo?

Makhoul Moussalem - O nosso governo primará pela transparência em todos os investimentos públicos, conforme já respondemos acima.

AIC - Alguns estados (BA, CE e RS, por exemplo) e municípios (Pelotas, São Carlos e Niterói, por exemplo) implantaram ou estão em fase de implantação dos seus Conselhos Municipais de Comunicação. O senhor conhece as atribuições de um conselho desta natureza? É a favor de implantar um deles em Campos?

Makhoul Moussalem - Sim. Conheço e sou totalmente favorável à implantação desse Conselho em nossa cidade.

AIC - Apesar das muitas tecnologias disponíveis, ainda é perto da nula a participação cidadã na gestão do município de Campos por meio de canais interativos na internet. Quais são as suas propostas para resolver esta demanda?

Makhoul Moussalem - O nosso Plano de Governo propõe o orçamento participativo que evidentemente inclui a participação do cidadão não só através dos Conselhos Municipais de Comunicação, mas também via Internet Banda Larga para toda população.

AIC - No debate sobre a democratização das comunicações, um dos aspectos é o que envolve o acesso dos cidadãos à internet banda larga de alta qualidade. Na sua avaliação, um município como Campos, a exemplo do que ocorre em outros municípios, tem condições de ofertar acesso gratuito e de qualidade à internet para os munícipes? Ou, na sua visão, esta não seria uma atribuição da Prefeitura?

Makhoul Moussalem - Em nosso Plano de Governo estamos propondo a criação da Cidade Digital, o que inclui o acesso à Internet Banda Larga para toda população.


[Ver entrevistas com outros candidatos]

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

AIC faz rodada de perguntas sobre imprensa e comunicação para os prefeitáveis


Com o intuito de contribuir para tornar a comunicação e o jornalismo temas mais discutidos na sociedade, a AIC quer saber dos candidatos a prefeito de Campos o que eles pensam sobre o tema comunicação pública. Para isso, a entidade deu início a uma rodada de perguntas sobre imprensa e comunicação para os cinco candidatos: Arnaldo Vianna (PDT), Erik Schunk (PSOL), José Geraldo (PRP), Makhoul Moussallem (PT) e Rosinha Garotinho (PR). 

As respostas serão publicadas aqui no blog, a partir da próxima segunda-feira (10), obedecendo a ordem de chegada das respostas. “É bem pouco difundida a ideia de comunicação como política pública e como direito da cidadania. Queremos saber o que os candidatos à Prefeitura de Campos pensam sobre isso e quais compromissos nesta área podem assumir”, explica o presidente da associação, Vitor Menezes. 

domingo, 2 de setembro de 2012

AIC lamenta morte de Maria Ester Balbi

A Associação de Imprensa Campista (AIC) lamenta a morte da colunista social Maria Ester Balbi, ocorrida ontem (dia primeiro de setembro). Durante décadas ela trabalhou na imprensa de Campos, com passagens por diversos veículos de comunicação da região. Nos últimos anos escrevia para o Jornal O Diário. A AIC se solidariza com os familiares e amigos neste momento de dor.

Campos dos Goytacazes, 02 de Setembro de 2012,

Diretoria da AIC.
Ocorreu um erro neste gadget