quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Clipping: Folha da Manhã publica matéria sobre campanha de doação de livros

FOLHA DA MANHÃ
CADERNO DOIS
DATA: 19/12/12
Link para publicação original:
http://www.fmanha.com.br/cultura-lazer/pequeno-jornaleiro-com-livro-na-mao

Cultura e Lazer

Pequeno jornaleiro com livro na mão

Talita Barros

Ver pela cidade os pequenos vendedores de jornal com uniforme azul era comum em Campos. Desde 1961, a Casa do Pequeno Jornaleiro acolheu e educou jovens carentes. Hoje, os meninos de azul não são mais vistos com os jornais, mas a Casa continua aberta para cumprir seu papel de resgate da cidadania de crianças e adolescentes. Para colaborar com o crescimento educacional dos atendidos pela instituição, a Associação de Imprensa Campista (AIC) emplacou uma campanha de arrecadação de livros para a Casa. Do final do mês passado até o momento, foram doados 150 livros a serem entregues nesta sexta-feira, a partir das 10h, à direção da Casa. Essa é a primeira de uma série de ações sociais que a Associação pretende manter no próximo ano. 

A escolha da Casa do Pequeno Jornaleiro tem uma explicação jornalística, em função da afinidade histórica com a imprensa, uma vez que a Casa foi criada inicialmente para abrigar crianças que distribuíam jornais. O outro motivo é que os membros da AIC visitaram a Casa e identificaram a necessidade. Atualmente, a entidade mantém 10 internos na Casa Lar e acompanha 80 jovens em liberdade condicional, todos com origem em situações de extrema vulnerabilidade social. A maioria dos atendidos está na faixa entre 9 e 16 anos de idade.

O vice-presidente da Casa do Pequeno Jornaleiro, Airton Evio de Souza, e o voluntário da Casa, Marcelo Fernandes, receberam no mês passado o presidente da AIC, Vitor Menezes, e o diretor de Cultura da Associação, Wellington Cordeiro. Na ocasião, foram definidos os detalhes da campanha de doação de livros para os adolescentes atendidos pela instituição. Em entrevista à Folha, Airton disse que a doação chega em boa hora e que os livros poderão ser consultados por toda a vizinhança.

— Temos apenas livros didáticos. Co-mo atuamos no sentido de dar melhores condições educacionais a essas crianças e adolescentes, a implantação de uma biblioteca é fundamental. Essa iniciativa da AIC foi muito importante e será para toda a vizinhança da Casa, mesmo porque não tem razão manter um espaço para leitura reservado a um pequeno grupo de pessoas — disse Airton, acrescentando que a Casa é uma iniciativa privada com apoio do Fundo Municipal da Infância e Adolescência (FMIA).

A doação não tem data para terminar e prossegue ao longo do próximo ano. “Sempre que juntarmos certo volume, levaremos para a Casa do Pequeno Jornaleiro. A ideia é formar uma pe-quena biblioteca e essa é uma construção permanente”, disse o presidente da AIC, o jornalista Vitor Menezes. O ponto alto das doações aconteceu no evento intitulado Balada Curta realizado recentemente na sede da Associação, que reuniu diversas pessoas interessadas em cultura e em contribuir para a formação da Biblioteca.
Vitor adiantou a agenda prevista para 2013 e explicou o motivo para a arrecadação.

— Já arrecadamos em torno de 150 livros. É a primeira vez, pelo menos na história recente da AIC, que é feita uma campanha desse tipo. Estamos ex-perimentando uma inserção social mais constante da Associação. Para 2013, estamos nos programando para organizar oficinas sociais de mídia e jornalismo, convidando jornalistas para ensinar o seu ofício a crianças e adolescentes carentes. É um jeito de a imprensa mostrar que não apenas noticia a realidade, mas também tem compromisso com a transformação social — expôs Vitor.

Os interessados em fazer a doação podem deixar os livros, em horário comercial, nos seguintes endereços: Associação de Imprensa Campista (rua Formosa, 460, sala 104), recepção do Uniflu-Filosofia, Band FM, Casa de Dança Beatriz Petrucci (avenida Pelinca, 49), Clínica Fisio Hara (avenida 28 de Março, 318), Loja Madame P (rua Formosa, 429).

Casa foi fundada há 51 anos em Campos

Segundo informações do historiador Hélvio Gomes Cordeiro, membro do Instituto Historiar, a Casa do Pequeno Jornaleiro foi fundada em 25 de abril de 1961 com o objetivo de promover o resgate social de crianças e adolescentes através do ensino formal e profissionalizante. O espaço sempre atuou para abrigar e educar os vendedores de jornais com idade até dezoito anos, também proporcionando aos mesmos a assistência integral à saúde, educação cívica, de letras, profissionalizante e esportiva. “Durante muitos anos era comum ver pelas ruas do centro de Campos os famosos vendedores de jornais da instituição, com uniforme azul, que demonstraram destreza para o desempenho da função”, salientou Hélvio.

O ex-interno Carlos Eduardo Rosa dos Santos, em comentário no site do Instituto Historiar, deixou seu registro em homenagem a Casa, lembrando os incentivos que recebeu.

— Queria expressar um pouquinho do meu orgulho de ter feito parte desta que me resgatou de uma realidade que me levaria à marginalidade, pois foi na Casa que tive a oportunidade de trabalhar na Rede Ferroviária e no Banco do Brasil. Estudei no Instituto Federal Fluminense (IFF) e atualmente sou funcionário de uma das maiores universidades do Brasil, a Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (Uenf) — agradeceu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget